Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

Conheça o Clube FII

Conheça o Clube FII

beta
Todo Clube tem sócios! Você também pode se tornar um!
Após rodada de negócios com o Grupo Solum que atraiu investidores-anjo de peso, o Clube FII também abre oportunidade para você participar.
Saiba tudo sobre a oferta, como investir, ser nosso sócio e fazer parte deste enorme potencial de crescimento!

Agora você também pode ser sócio do Clube FII!
Mercado

Como fica o mercado FII com as projeções do Banco Central

Saiba qual o impacto nos Fundos Imobiliários nos diferentes segmentos se as estimativas de PIB e inflação do BC se concretizarem

Por Luciene Miranda
quinta-feira, 24 de março de 2022

O Banco Central manteve a previsão de Produto Interno Bruto (PIB) para o Brasil em 1% em 2022, segundo Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado na manhã desta quinta-feira (24).

 

Já para a inflação, o RTI apresenta dois cenários diferentes, ambos acima do teto da meta determinada pelo Conselho Monetário Nacional para o ano, que é de 5%.

 

Como fica o mercado FII com as projeções do Banco Central

 

O centro da meta de inflação é de 3,5% com margem de erro de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

 

O cenário que considera o barril de petróleo mais caro projeta inflação em 7,1% este ano e probabilidade de 97% de estouro da meta.

 

No cenário com a commodity mais barata, a inflação encerra 2022 a 6,3% com probabilidade de 88% de ficar acima do teto da meta.

 

 

O que isso impacta no mercado FII?

 

O gestor de investimentos imobiliários da Rio Bravo, Giuliano Bandoni, chama a atenção para cada projeção do relatório do BC e as consequências ao mercado de Fundos Imobiliários, de acordo com o segmento.

 

A projeção do PIB de 1% no ano, se concretizado, tem impacto nos fundos de tijolo.  

 

“É um nível de atividade superior ao esperado pelo mercado, o que reflete a atividade das empresas e na economia real com reflexo nos fundos de shoppings por uma tendência de vendas superiores”.

 

Bandoni ainda destaca o impacto que o PIB de 1% em 2022 teria nos Fundos Imobiliários de lajes corporativas.

 

“As empresas vão crescer um pouco acima do que o esperado, talvez refletindo efetivamente em decisões de expansão e ocupação de mais espaços”.

 

Já a inflação alta prevista no relatório do Banco Central pode beneficiar os fundos de certificados de recebíveis imobiliários, os CRIs, conhecidos como fundos de papel.

 

“Segundo o relatório, a inflação só entra na meta sem riscos a partir de 2024, o que também impacta a taxa básica de juros. Isso é benéfico para os fundos de CRI indexados à inflação que acabam capturando de maneira direta a inflação mais alta, refletindo na distribuição de dividendos para os investidores”.

 

O gestor também explicou que a perspectiva de redução do aperto monetário pelo Banco Central, ou seja, de um ritmo menos intenso de alta da taxa básica de juros no país (Taxa Selic) pode beneficiar o mercado FII como um todo. Isso deve ocorrer a partir do momento em que o Banco Central começar a se preocupar com a inflação em 2024, o que não será na próxima reunião.

 

“Aí, o mercado de Fundos Imobiliários e, principalmente, o de FIIs de tijolo, passa a se valorizar com um desconto menor do que existe hoje. Atualmente, o ativo é negociado com desconto expressivo em relação ao custo de reposição como resultado da taxa Selic em nível alto e da concorrência do ativo de renda fixa com menor risco”.

 

 

 

 

 

 


mais notícias semelhantes
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.