Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

Conheça o Clube FII

Conheça o Clube FII

beta
QUER RELATÓRIOS DE FIIS DE CASAS INDEPENDENTES?
Só no Clube FII você encontra relatórios de Fundos Imobiliários de diversas casas de análise independentes para ajudar você escolher os fundos que mais se encaixam em seu perfil!
Acesso gratuito para assinantes FII DATA PLUS e FII DATA PROFESSIONAL da maioria dos relatórios!

Relatórios de FIIs das melhores casas de análise
Mercado

A guerra na Ucrânia pode afetar os Fundos Imobiliários?

O Clube FII News buscou especialistas da indústria FII para saber os riscos que envolvem os cotistas de FIIs

Por Luciene Miranda
quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022 Atualizado

O mundo assistiu perplexo à invasão russa do território da Ucrânia mesmo após intensa negociação diplomática por parte de autoridades direta ou indiretamente envolvidas no conflito.

 

A reação dos mercados foi imediata. Hoje (24), o Ibovespa e o IFIX - o índice de Fundos Imobiliários da B3 - operam em queda. O principal índice de FIIs do país chegou a operar em 2.698 pontos com uma queda de 1,13%.

 

A guerra na Ucrânia pode afetar os Fundos Imobiliários?

 

Neste contexto, a inflação oficial medida pelo IPCA que já está elevada nos últimos 12 meses, terá novos componentes de pressão, lembra Thiago Otuki, economista do Clube FII. Isso ocorre porque os combustíveis e transporte têm grande peso no IPCA.

 

Já o petróleo disparou alta acima de 8% com o barril cotado acima de US$ 105,00 pela manhã desta quinta-feira porque a Rússia é o segundo maior produtor e exportador da commodity no mundo, atrás dos Estados Unidos. A Europa depende do petróleo e do gás natural russos.

 

Otuki ainda cita o dólar que vinha em tendência de queda e até flertou um preço abaixo de R$ 5,00.

 

“Hoje, a moeda norte-americana voltou a subir e é cotada a R$5,14”, pontua.

 

O economista ainda chama a atenção para as análises de especialistas em agronegócio que apontam Rússia e Ucrânia juntas como parte relevante das exportações de outras commodities importantes como o trigo e o milho.

 

“É bom lembrar que o IGP-M - que reajusta a maioria dos contratos de aluguel - sofre impacto do dólar e dos preços agrícolas”.

 

Esse cenário tende a pressionar a inflação e, consequentemente, levar o Banco Central a elevar a taxa Selic mais do que o esperado e por um tempo maior, alerta Otuki.

 

A principal referência de juros longos para o mercado de FIIs já é negociada hoje na máxima dos últimos 12 meses de 5,81%. Em dezembro, chegou a ser negociada com uma taxa abaixo de 5%.

 

Por isso, e economista acredita na manutenção da tendência de melhor resultado para os FIIs de recebíveis imobiliários que têm títulos indexados ao IPCA, IGP-M e Selic/CDI.

 

“Esse repasse é rápido para os rendimentos dos investidores. Já os FIIs de tijolo sofrem com a elevação dos juros longos e a expectativa de um crescimento econômico menor afeta o mercado imobiliário. Em uma economia mais fraca, fica mais difícil reduzir a vacância do segmento corporativo, por exemplo”, explica.

 

Giuliano Bandoni, gestor de Fundos Imobiliários da Rio Bravo, chamou a atenção para o comportamento imediato de reação ao início da guerra não só do mercado de FII, mas de outros ativos de risco que é de aversão ao risco por parte dos investidores, com forte volatilidade dos preços.

 

“Sempre que há um evento de estresse como esse, a gente tem um movimento dos investidores tirando dinheiro de ativos de renda variável – ações e Fundos Imobiliários – e alocando em ativos que são seguros, como o ouro e o dólar”.

 

Para Bandoni, a atenção dos mercados agora é sobre quais serão as sanções impostas pelos países do ocidente. É esperado um ajuste para baixo no crescimento global, principalmente das economias desenvolvidas e da Europa – além de um efeito inflacionário.

 

“Esse aumento da inflação pode ser traduzido pelos bancos centrais ao redor do mundo como um aumento de juros. O impacto no mercado de Fundos Imobiliários é que a economia desenvolvida sobe juros e você tem uma redução da liquidez e uma realocação de capital saindo de ativos de risco, inclusive FIIs”.

 

O gestor acredita que o reflexo aqui no Brasil poderá ser uma quebra na cadeia de suprimentos, além de outros pontos que fariam maior pressão sobre a inflação brasileira.

 

“Aumento do câmbio, alimentação e de commodities como o petróleo e o gás natural trazem impacto à nossa cesta de produtos e podem estender a elevação da taxa básica aqui pelo Banco Central, o que é ruim não só para os Fundos Imobiliários, mas para qualquer ativo de risco”.

 

Bandoni alerta sobre a necessidade do investidor ponderar se vale a pena ou não o valor em que um fundo é negociado.  

 

“Em se tratando de fundos de tijolo, é importante saber se é um momento de estresse e de 'sell off' – venda geral – de mercado, mas que pode abrir boas oportunidades para os investidores que conseguem ser mais racionais neste momento”, conclui.

 

 


mais notícias semelhantes
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.